top of page

Apresentação sobre o tapete sensorial do padre Roque Gonzales será uma das atrações do Seminário Internacional das Missões

Artistas responsáveis pela criação da obra vão apresentar imagens e contar detalhes sobre o processo de construção do tapete


Foto colorida do tapete sensorial do padre Roque Gonzales em uma igreja no Paraguai. O tapete conta com o desenho da figura de Roque Gonzales no centro, com destaque para o seu coração, que aparece vermelho em cores vivas. O padre segura faixas em uma mão, enquanto a outra está levemente levantada. Ele usa uma túnica marrom e possui um circulo luminoso sobre sua cabeça. Ao fundo, céu azul escuro e campos verdes. Embaixo do tapete a frase: "Un santo de gran zorazon".
Com estilo inovador, tapete interativo busca dar visibilidade à história do padre Roque Gonzales - Divulgação

Uma apresentação sobre o tapete sensorial inspirado no padre Roque Gonzales será uma das principais atrações do V Seminário Internacional de História, Educação e Turismo da Região das Missões. O evento inicia na próxima quarta-feira, 24, e segue na quinta, 25 de abril, em Caibaté (RS). Durante as programações, os artistas José Quevedo e Liliana Sykora, junto da coordenadora da Câmara Paraguaia de Turismo das Rotas Jesuíticas, Olga Fisher, vão contar detalhes sobre a produção da obra interativa, feita também pelo artista Ruben Sykora.


O primeiro tapete sensorial foi criado no Paraguai e está exposto na igreja da Paróquia “San Roque Gonzales”, na cidade de Encarnación, departamento de Itapúa, no Paraguai. Na oportunidade, o tapete não estará em Caibaté, mas serão apresentados materiais utilizados na sua produção, com apoio de audiovisuais sobre a criação. O objetivo da obra é despertar os sentidos e proporcionar uma experiência de imersão. “O primeiro tapete sensorial foi criado para ser uma obra que revitaliza e dá mais visibilidade à vida missionária de São Roque”, afirma José Quevedo, artista visual com mais de 30 anos de experiência em artes e gestão cultural.


Com 6 metros de altura e 4 metros de largura, o tapete possui detalhes em diferentes materiais e sua produção foi feita utilizando diversas técnicas para proporcionar uma experiência que afete os cinco sentidos: visão, audição, olfato, tato e paladar (através da degustação de uma bebida tradicional paraguaia que acompanha as demonstrações).



Foto colorida dos artistas Ruben Sykora, Liliana Sykora e José Quevedo em frente ao tapete sensorial do padre Roque Gonzales. À esquerda, Ruben é um homem branco e usa um terno amarelo. Ao centro, Liliana é uma mulher branca com cabelos loiros e usa um casaco preto. À direita, José usa um agasalho azul escuro e uma calça caqui. Ele tem cabelos e barba grisalhos
Ruben, Liliana e José - artistas responsáveis pelo projeto - Divulgação

“O grande coração, parte central da tapete, mede aproximadamente 1 metro x 60 cm e foi coberto com camadas de resina sintética em tons avermelhados, camada após camada, incluindo folhas de ouro nas mesmas camadas, obtendo tons únicos e muito realistas”, descreve Liliana Sykora, artista visual com mais de 25 anos de carreira e exposições em diversos países. 


Para despertar o sentido de audição, é feita a reprodução de sons que simulam batidas do coração, acompanhadas de uma narração. “O sentido do olfato está presente com a ativação de um aroma sutil de erva-mate queimada, conseguido com a técnica de fabricação da nossa bebida nacional tradicional”, complementa a artista paraguaia, que trabalha principalmente com técnicas de cerâmica.


Tapete utiliza terra e água benta retiradas do Caaró

No total, considerando o processo de elaboração do projeto e todas as fases de produção, o tapete levou cerca de 1 ano para ser concluído. Além dos sentidos descritos, o visual conta com detalhes que buscam dar uma dimensão 3D para a obra. Já na busca por despertar o tato, os artistas utilizaram terra e água benta retiradas do Caaró. “Os visitantes podem tocar, sentir e emocionar-se com as energias curativas da terra e da água benta trazidas do próprio local onde o Coração de Roque resistiu ao fogo para falar e deixar a sua mensagem de amor e fé”, destaca Liliana Sykora.


Duas fotos coloridas dos processos de produção do tapete sensorial do padre Roque Gonzales. A foto da esquerda mostra o coração do padre, vermelho com diversas marcas que representam a textura do coração. Na imagem da direita aparece o tapete visto de cima e com o coração e as mãos sendo colocadas
Imagens mostram detalhes do processo de produção do tapete - Divulgação

De acordo com José Quevedo, a ideia de homenagear o primeiro santo paraguaio surgiu a partir de sugestão de Olga Fisher. “Seus legados e grandes ensinamentos devem ser conhecidos pelos habitantes dos três países que visitou: Paraguai, Argentina e Brasil”, enfatiza o artista ao mencionar o papel histórico do padre Roque Gonzales.


“No Seminário Internacional das Missões, faremos uma palestra didática apoiada por materiais audiovisuais e com amostras físicas dos materiais utilizados”, explica José Quevedo. A intenção é de que a obra seja itinerante e já existem visitas agendadas em cidades como Posadas, na Argentina, Assunção e Pedro Juan Caballero, no Paraguai, e também em Caibaté, ainda sem uma data definida.


A apresentação dos artistas sobre o tapete sensorial está programada para o terceiro turno de atividades do Seminário Internacional das Missões. As palestras, apresentações artísticas e lançamentos de livros ocorrem na na sede da Associação dos Funcionários das Missões (Afucer). O evento é promovido pela Secretaria Municipal de Educação, Cultura e Turismo (SMECT) de Caibaté, em parceria com a Cátedra Unesco, a Universidade Federal de Santa Maria e a Trilha dos Santos Mártires.




Texto: Assessoria de Comunicação - Seminário Internacional das Missões


78 visualizações0 comentário

Comments


bottom of page